sexta-feira, abril 11, 2014

SP - Scanner de voz e curso online de Libras são oferecidos para alunos com deficiência


Equipamentos pedagógicos estão expostos em feira internacional de inclusão em São Paulo

Pioneira no processo de inclusão escolar, a Educação paulista conta com uma série de materiais e salas de recursos para atender os 62,5 mil alunos com algum tipo de deficiência matriculados na rede estadual. Com auxílio do Centro de Apoio Pedagógico Especializado (CAPE), os estudantes têm acesso ao currículo regular por meio de ferramentas como o scanner de voz, que transforma todo conteúdo de texto em áudio, e o curso de inglês online e acessível.

Parte desse material, indispensável na rotina dos alunos tanto nas classes comuns como nas 1.770 salas de recurso multifuncionais, faz parte do stand do Governo de São Paulo na III Feira Internacional de Reabilitação, Inclusão, Acessibilidade e Paradesporto (ReaTech). O evento vai até o próximo domingo, dia 13 de abril, em São Paulo.

Além do scanner de voz, as salas de recurso são equipadas com impressoras para ampliação de livros e máquinas de Braille. Nas classes, os alunos têm à disposição computadores com softwares adequados e o caderno do aluno impresso em Braille e em fonte ampliada. Com esse suporte físico e acompanhamento dos educadores da rede, os estudantes conquistam a autonomia e têm garantidos o direito à educação.

“O objetivo da Secretaria da Educação é criar uma cultura inclusiva. Por isso, trabalha em duas frentes: garantir a matrícula dos alunos e oferecer a eles um ensino de qualidade. Neste ano, por exemplo, participam de uma formação continuada 1.600 professores e gestores da rede.”, afirma o secretário da Educação, professor Herman Voorwald.

Quem for à feira também poderá conferir os cursos online elaborados pela Escola Virtual de Programas Educacionais do Estado de São Paulo (EVESP). As aulas de inglês para estudantes com deficiência visual e auditiva oferecem mais de 40 filmes para o ensino do idioma. Os conteúdos podem ser acessados da própria casa do aluno e também nas salas do Acessa Escola, onde todas as máquinas possuem um software leitor de tela que permite que usuários cegos ou com baixa visão utilizem os computadores.

Já o curso de Libras Online, para surdos e ouvintes, reproduz com ajuda de avatares em 3D situações do cotidiano - como passeio em shoppings, aulas de educação física, festas - e auxiliam o aprendizado dos participantes. Em 2013, mais de 4 mil alunos se inscreveram no programa.
 
FONTE: SEESP

sábado, abril 05, 2014

SP - Especialização em Educação Especial com Ênfase na Deficiência Múltipla


Do dia 07 a 17 de abril estarão abertas as inscrições para o “Curso de Especialização em Educação Especial com Ênfase na Deficiência Múltipla”, em nível de pós-graduação, destinado a professores de Educação Infantil, Educação Infantil e Ensino Fundamental I, professores de Ensino Fundamental II e Médio e os professores que atuam nas Escolas Municipais de Educação Bilíngue para Surdos (EMEBS). Os interessados deverão ir ao Centro de Formação e Acompanhamento a Inclusão (CEFAI) no período indicado acima para preenchimento da ficha de inscrição.

O curso vai ser ministrado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e o seu objetivo é oferecer, aos educadores, referenciais teóricos específicos, bem como conhecimentos e recursos práticos necessários para o pleno atendimento dos alunos com deficiência múltipla, visando sua aprendizagem e participação nas atividades escolares, garantindo, assim, a sua inclusão educacional e social.

Segundo a Diretora do Setor de Educação Especial da Secretaria Municipal de Educação, Renata Garcia, “a realização deste curso surgiu da necessidade de formar recursos humanos para atuarem nos serviços de educação especial na Rede Municipal de Ensino, e ainda de apoiar as Escolas Municipais de Educação Bilíngue para Surdos (EMEBS) no trabalho com educandos com deficiência múltipla e surdocegueira”.

Renata ressalta que esta ação está em consonância com a Meta 54 do Plano de Metas do Governo: “Revitalizar os CEFAIS assegurando a formação de professores e o acompanhamento aos alunos com deficiência matriculados na Rede Municipal de Ensino”.

Várias instituições de Ensino Superior enviaram propostas para a realização deste curso, porém, de acordo com Renata, “após análise criteriosa das propostas recebidas, a Secretaria Municipal de Educação optou pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, conceituada instituição de ensino que entre 2001 e 2007 realizou através de convênio com o Programa Hilton Perkins e com a Blind School for the Blind, dos EUA, cursos de pós-graduação, latu sensu, reconhecidos pelo Ministério de Educação e Cultura (MEC), para a formação de educadores de pessoas com deficiência múltipla e surdocegueira”.

Requisitos - Aqueles que desejam realizar este curso devem já ter concluído um curso de graduação na área da educação e não possuir curso de pós-graduação na área das deficiências. Eles também devem se comprometer em atuar nas Salas de Apoio e Acompanhamento à Inclusão (SAAI) ou nos Centros de Formação e Acompanhamento à Inclusão (CEFAI) das Diretorias Regionais de Educação, bem como apoiar a construção de práticas que atendam às necessidades dos educandos com deficiência múltipla e surdocegueira nas EMEBS.

A carga horária do curso é de 450 horas. Ele acontecerá no período de abril deste ano a setembro de 2015, durante os sábados, das 7h30 às 12h e das 13h às 17h30, no Campus Higienópolis da Universidade Presbiteriana Mackenzie, localizado na Rua da Consolação, 930, no bairro da Consolação.

Estão sendo oferecidas 150 vagas, distribuídas entre as Diretorias Regionais de Educação (DRE) da seguinte forma: DRE Butantã: 10 vagas; DRE Campo Limpo: 15; DRE Capela do Socorro: 12; DRE Freguesia do Ó: 12; DRE Guaianases: 11; DRE Ipiranga: 10; DRE Itaquera: 10; DRE Jaçanã-Tremembé: 11; DRE Penha: 10; DRE Pirituba-Jaraguá: 14; DRE Santo Amaro: 12; DRE São Mateus: 12 e DRE São Miguel Paulista: 11.

A Rede Municipal de Ensino atende 2174 educandos com deficiência múltipla em suas Unidades Educacionais.

Confira na íntegra o Comunicado 659.

Fonte:
Secretaria Municipal de Educação de São Paulo

sábado, março 22, 2014

SP - Com assinatura de termo, Educação reafirma compromisso com acessibilização de escolas

Parceria com o Ministério Público prevê ampliação das intervenções e investimentos nas escolas

A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo e o Ministério Público firmaram um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) para que todas as cinco mil escolas estaduais de São Paulo sejam plenamente acessibilizadas. A parceria prevê um plano de trabalho e investimento de R$ 1 milhão pelo Estado em cada uma das obras de acessibilidade.

A entidade é parceira da Secretaria da Educação em diversas ações, principalmente aquelas vinculadas ao Sistema de Proteção Escolar, como a formação de professores mediadores e a oferta de cursos sobre justiça restaurativa.

- Acesse o termo assinado entre o Ministério Público e a Educação

Atualmente, 1.499 unidades escolares do Estado de São Paulo contam com obras gerais de acessibilidade que atendem à norma brasileira e incluem rampas, elevadores, piso podotátil, corrimão e eliminação de barreiras arquitetônicas que comprometam a mobilidade. Todas as demais unidades escolares já contam com verbas para a realização de intervenções rotineiras, de acordo com a necessidade, como instalação de corrimão e rampas, por exemplo. Além disso, todas as novas escolas já são construídas dentro dos padrões de acessibilidade.

Pela parceria, a Educação fica responsável pelas obras de adequação das escolas estaduais e por enviar ao Ministério Público, a cada três anos, o cronograma de intervenções que serão realizadas dentro do período. Na primeira etapa, serão atendidas 377 escolas até o final de 2015.

Inclusão na rede estadual

Atualmente, os estudantes com mobilidade reduzida são atendidos nas unidades de ensino que contam com acessibilidade e estejam mais próximas às suas residências. Além disso, eles contam com transporte específico. Para as obras a serem realizadas, o TAC proposto pela Secretaria e Ministério Público priorizará intervenções de acessibilidade em municípios que possuam apenas uma escola estadual. O segundo critério contemplará escolas com um pavimento e, em seguida, com dois pavimentos. Posteriormente, receberão obras as cidades com mais de 15 mil habitantes com escolas a uma distância igual ou superior a dois quilômetros.

Para otimizar a proposta da Pasta, a Secretaria criou um grupo de trabalho que visita as unidades escolares e faz inventários sobre quais obras são prioritárias e emergenciais, com a participação de todas as nossas 91 diretorias regionais de ensino do Estado.
 
fonte: SEESP

terça-feira, março 18, 2014

Treino de curta duração melhora destreza manual de bebês


Por Karina Toledo

Agência FAPESP – Um protocolo de treino simples e de curta duração criado na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) pode ajudar a desenvolver em bebês típicos e atípicos, de 3 a 5 meses de idade, a habilidade de alcançar (estender o braço até a mão tocar um objeto), podendo ou não apreendê-lo.

De acordo com as pesquisadoras, esse tipo de intervenção pode prevenir problemas no desenvolvimento motor e cognitivo de crianças prematuras, com síndrome de Down, paralisia cerebral e mielomeningocele (espinha bífida).

“O alcance manual é fundamental para que o bebê adquira habilidades manipulativas, como pegar e explorar um brinquedo ou um alimento, e para se apoiar nos móveis e ficar em pé. É por meio da exploração dos objetos e do espaço, da percepção da textura, do peso e da maleabilidade ou rigidez do objeto que o bebê vai formando conceitos. O atraso no desenvolvimento da destreza manual pode resultar em problemas na idade pré-escolar, como dificuldades para segurar o lápis, compreender ou desenhar formas, calcular a força para manusear um objeto”, explicou Eloisa Tudella, pesquisadora do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS) da UFSCar.

Tudella coordena o projeto “Influência do treino específico na emergência do alcance em lactentes a termo e pré-termo”, apoiado pela FAPESP e pela Fundação Maria Cecília Souto Vidigal (FMCSV) no âmbito de um acordo de cooperação entre as duas instituições. Resultados parciais foram apresentados no dia 13 de março, no 1º Seminário de Pesquisas sobre Desenvolvimento Infantil, na FAPESP.

“A técnica usada no estudo foi desenvolvida na prática, durante os atendimentos que realizamos no programa de intervenção precoce oferecido pelo Núcleo de Estudos em Neuropediatria e Motricidade (Nenem), da UFSCar. Decidimos levar essa metodologia ao laboratório, para constatar a efetividade daquilo que era observado clinicamente”, contou Tudella.

O trabalho de investigação foi, até o momento, realizado por três estudantes de doutorado. Andréa Baraldi Cunha avaliou, com apoio de Bolsa da FAPESP, o efeito do treino em condição de prática variada seriada em 30 bebês nascidos a termo, ou seja, entre 37 e 41 semanas e 6 dias.

Também com Bolsa da FAPESP, Daniele de Almeida Soares avaliou o efeito do treino em condição de prática variada seriada em bloco em 36 prematuros tardios, nascidos entre 34 e 36 semanas e 6 dias.

Os efeitos do treino também foram verificados em 18 prematuros extremos, com 33 semanas de vida ou menos, durante o doutorado de Elaine Leonezi Guimarães.
 
 
FONTE: FAPESP

quinta-feira, março 13, 2014

SP - Formação inédita vai capacitar profissionais da rede em Educação Especial e Inclusiva


Em evento nesta quarta (12) também foi anunciado o aumento das salas de recurso em todo o Estado

A Educação dá início nesta quarta (12) à formação continuada inédita de 1.600 professores e gestores da rede com foco na educação especial e inclusiva. São sete cursos de especialização lato sensu elaborados em parceria com a Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Professores do Estado de São Paulo (EFAP) e a Universidade Estadual Paulista (Unesp), a partir do projeto REDEFOR.

A ação visa ampliar o número de profissionais especializados no atendimento de alunos com deficiência, bem como aprimorar a política de inclusão na rede estadual de ensino paulista. Além disso, com os novos especialistas a Secretaria pretende aumentar ainda mais a quantidade das salas de recursos, ambientes regidos por professores especializados e equipados com materiais pedagógicos específicos, de acordo com o tipo de deficiência.

Atualmente, estão matriculados em classes comuns da rede estadual mais de 62 mil alunos com algum tipo de deficiência. Eles dispõem ainda de 1.770 salas de recursos, número 45% maior que no ano passado, quando eram disponibilizadas 1.214 unidades.

Aos professores e gestores foram oferecidas vagas no curso de Especialização em Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Os coordenadores pedagógicos também puderam optar por seis cursos de Especialização em Educação Especial nas áreas de deficiência auditiva, visual, física, intelectual, transtorno global do desenvolvimento e/ou altas habilidades/superdotação. O programa prevê encontros presenciais, atividades online e trabalho de conclusão de curso.

Convênios
 
Além do oferecimento de classes inclusivas e salas de recurso, a Pasta tem firmados 295 convênios com entidades, como APAEs, que acolhem alunos com deficiência em todo o Estado de São Paulo. Neste ano, serão repassados R$ 115 milhões para o atendimento de 28 mil estudantes. 
 
FONTE: SEESP

terça-feira, fevereiro 18, 2014

SP - Quer sabe mais sobre o curso de LIBRAS online da Educação? Confira aqui!

Vídeo explicativo fala sobre formação pioneira e gratuita voltada para alunos surdos e ouvintes 
 
Saber se comunicar por meio da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) é algo muito importante. Segundo o IBGE, 5 % da população brasileira possui algum tipo de deficiência auditiva, ou seja, cerca de 10 milhões de pessoas. Nas escolas da rede estadual, 2,5 mil alunos possuem deficiência auditiva.

E para alcançar todos os estudantes, a Secretaria da Educação lançou, no 2º semestre de 2013, um curso inédito e gratuito de LIBRAS. O objetivo é proporcionar aulas virtuais, acessíveis de qualquer computador, para os estudantes com e sem deficiência auditiva.

- Clique aqui para se inscrever

As inscrições para o curso ainda podem ser realizadas. A quantidade de vagas contempla toda a demanda de alunos surdos da rede estadual.

Evesp acessível

A Escola Virtual de Programas Educacionais (Evesp), órgão da Secretaria da Educação, já tem atuado com a temática acessibilidade. Em julho de 2013, foi lançada uma plataforma para aulas de Inglês Online, voltada a estudantes cegos e surdos. O conteúdo foi todo disponibilizado com recursos de acessibilidade, com vídeos com audiodescrição e também janelas em libras.
 
FONTE: SEESP

Postagens populares

Meus Blogs