Pesquisar este blog

segunda-feira, abril 08, 2019

MEC universaliza impressão de livros didáticos em Braille

Pela primeira vez, o Ministério da Educação vai garantir que os mesmos livros didáticos utilizados em sala de aula por professores de todo o país, em 2019, terão impressão equivalente em tinta e em Braille. Isso significa mais inclusão para os estudantes cegos, além de ampliar as possibilidades de interação com os pais, professores e colegas de classe. A medida é um forte componente que garante visibilidade para essas pessoas, especialmente, na celebração do Dia Nacional do Sistema Braille, em 8 de abril.

Dados do Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD) 2019 apontam que as escolas brasileiras indicaram 20.671 alunos com cegueira ou baixa visão e, após a conclusão do edital, foram impressas 28.317 edições para o Ensino Fundamental I, do 1º ao 5º ano. As demais impressões estão sendo realizadas da maneira mais rápida possível para garantir que todos os estudantes cegos as recebam o quanto antes.

Celebração - A data escolhida para celebrar o Dia Nacional do Sistema Braille remete ao nascimento de José Álvares de Azevedo, brasileiro cego, que inovou a educação de pessoas cegas no século XIX. Ele foi o primeiro professor do Sistema Braille no Brasil e o idealizador de uma escola, o Imperial Instituto de Meninos Cegos, também a primeira escola para os estudantes brasileiros com deficiência, inaugurada em 1854. Foi essa escola que mais tarde veio a se tornar o Instituto Benjamin Constant.

O nome do sistema remete ao sobrenome do seu criador, Louis Braille. Com a combinação de seis pontos em relevo e suas diferentes localizações, formam-se letras, palavras, frases, equações matemáticas, representações químicas e a musicografia, em inúmeros idiomas.
 
fonte: MEC

quinta-feira, abril 04, 2019

PERNAMBUCO - Jovens com deficiência intelectual a um passo do mercado de trabalho

Dezesseis jovens com deficiência intelectual do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) deram um passo importante nesta quinta-feira (04/04). Eles passaram a integrar a turma de aprendizagem básica em costureiro industrial do vestuário da unidade do Paulista. Após o período de seis meses, eles poderão vivenciar a prática profissional em indústria pernambucana responsável pela distribuição de peças para importantes redes varejistas do País. Ao todo, a turma tem 22 estudantes.

O curso ensinará do zero, desde o uso de uma linha até a produção completa de uma peça. No conteúdo, será abordado qual material é usado para modelagem, as regras de segurança e como desenvolver competências de corte. Eles terão aulas em laboratórios de costura e modelagem com máquinas industriais utilizadas na empresa de confecção que irão trabalhar.

A iniciativa faz parte do Programa SENAI de Ações Inclusivas, que busca sensibilizar indústrias parceiras de que a contratação de pessoas com deficiência beneficia a todos. De 2000 – quando o programa foi criado – para cá, aproximadamente 400 jovens foram inseridos no mercado de trabalho por meio dessa prática.
 
FONTE: SENAI PE

sábado, janeiro 05, 2019

MINAS GERAIS - Publicada resolução que define critérios e procedimentos para designação na CAP São Rafael


A Secretaria de Estado de Educação (SEE) publicou, no Diário Oficial Minas Gerais, resolução especifica que define critérios e procedimentos para inscrição, classificação e designação de candidatos para atuarem no Centro de Apoio Pedagógico às Pessoas com Deficiência Visual do Instituto São Rafael (CAP São Rafael). Posteriormente, serão divulgados os cronogramas e orientações complementares.
 
A Resolução SEE nº 4061, que traz os critérios e procedimentos para a designação para a função pública de Professor de Educação Básica no Centro de Apoio Pedagógico às Pessoas com Deficiência Visual do Instituto São Rafael (CAP São Rafael) - Os candidatos irão atuar nos projetos ofertados pelo Núcleo de Atendimento às Pessoas com Deficiência Visual e Surdocegueira. O interessado deverá realizar sua inscrição, pessoalmente ou por procuração, no CAP São Rafael.

Para se inscrever, o candidato deverá comprovar, além da habilitação e escolaridade previstas, formação especializada oferecida por instituição de ensino credenciada em Sistema Braille (processo de leitura, escrita e transcrição), Código Matemático Unificado, Orientação e Mobilidade. Além disso, ele deverá declarar, no ato da designação, que possui conhecimento e experiência na atividade laborativa desenvolvida no Projeto ofertado pelo CAP São Rafael/Núcleo de Atendimento às Pessoas com Deficiência Visual e Surdocegueira. Cada candidato poderá realizar até três inscrições de seu interesse, observadas a habilitação e escolaridade, e a formação especializada.

Os candidatos inscritos à designação para a função de Professor de Educação Básica (PEB), para exercício nos Projetos do CAP São Rafael, serão classificados em listagens específicas, por Projeto, observando-se a habilitação e escolaridade, e a formação especializada.

O candidato poderá corrigir as informações durante o período de inscrição. A cada correção, o ele preencherá um novo formulário, sendo devolvido o anterior, e receberá um novo comprovante de inscrição. Os candidatos serão classificados de acordo com os dados da última informação feita pelo candidato ou procurador.
 
fonte: Secretaria da Educação de Minas Gerais

terça-feira, dezembro 18, 2018

Redação em braille de textos em português tem novas normas

Cerca de 83 mil estudantes com deficiência visual de todo o país serão beneficiados pelas novas normas de redação em braille, que já estão em vigor. As alterações promovidas pelo Ministério da Educação, que constam da terceira edição da Grafia Braille para a Língua Portuguesa e da terceira edição das Normas Técnicas para a Produção de Textos em Braille, basearam-se, principalmente, no Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, assinado em 1990 e em vigor no Brasil desde 2016, visando a garantia da padronização dos textos produzidos em todo o país.

Os dois documentos que estabelecem as novas normas estão disponíveis no Portal do MEC e podem ser acessados. O material, apresentado pelo MEC nesta segunda-feira, 17, em Brasília, foi produzido pela Comissão Brasileira do Braille (CBB) em cerca de um ano de trabalho. A prática é indispensável para que todos os estudantes cegos ou com baixa visão possam usufruir dos livros em braille como importante instrumento para o seu desenvolvimento.

A Grafia Braille para a Língua Portuguesa é um documento normatizador e de consulta, destinado, especialmente, aos usuários do sistema braille, professores, transcritores e revisores. Já a publicação da terceira edição das Normas Técnicas para a Produção de Textos em Braille tem como objetivo a definição e qualificação das diferentes etapas da produção de um livro em braille. O material apresenta informações de grande importância para embasar o trabalho de transcrição realizado pelos profissionais e auxiliar na qualidade da produção de livros em braille.

De acordo com o Censo Escolar, foram matriculados 82.630 estudantes com deficiência visual nas redes de ensino, em 2017.

Braille – Para ler e escrever, as pessoas cegas dispõem do sistema de pontos em relevo mais utilizado em todo o mundo, que é o sistema braille. Ele foi desenvolvido pelo francês Louis Braille e a versão mais conhecida data de 1837. No Brasil, o sistema braille foi oficialmente adotado em 1854, junto à criação do Imperial Instituto de Meninos Cegos, atualmente Instituto Benjamin Constant.

Em 1999, o MEC criou a Comissão Brasileira do Braille (CBB), com o papel de adotar uma política de diretrizes e normas para o uso, o ensino, a produção e a difusão do Sistema Braille em todas as modalidades de aplicação. Em 2017, foi concluído o trabalho de atualização da Grafia Química Braille para Uso no Brasil.

Conheça a Grafia Braille para a Língua Portuguesa

Confira as Normas Técnicas para a Produção de Textos em Braille
 
fonte: MEC

sexta-feira, dezembro 07, 2018

Videoprova em Libras do Enem 2018 já está disponível

A videoprova em Libras do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 já pode ser acessada em plataforma similar à adotada na aplicação. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) disponibilizou os vídeos com os enunciados e as opções de respostas da videoprova de 2018 nesta quinta-feira, 06 de dezembro. Com a atualização, surdos e deficientes auditivos poderão estudar pelas videoprovas de 2018 e de 2017 do Enem no mesmo formato acessível em que elas são aplicadas.

Ao ser disponibilizada no próprio Portal do Inep, com uma interface parecida com a utilizada na videoprova, os participantes surdos poderão se preparar melhor. A funcionalidade, inaugurada em setembro para a prova de 2017, permite assistir ao vídeo das questões e conferir o gabarito, se o participante desejar.

Ao longo da história do Enem, o atendimento às diferentes necessidades dos participantes tem sido uma preocupação do Inep. Em 2017, o Instituto passou a oferecer a videoprova em Libras e levou o tema “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil” para a redação, promovendo um amplo debate sobre o assunto. Este ano, o Inep lançou o selo Enem em Libras para todo o conteúdo disponível em Língua Brasileira de Sinais que reforça a Política de Acessibilidade e Inclusão do Instituto. O Enem em Libras marca o esforço do Instituto para garantir que seus editais, provas, cartilhas, campanhas e demais materiais, de todos os seus exames e avaliações, sejam acessíveis. Dessa forma, o Inep reafirma o seu compromisso com a comunidade surda e com um futuro melhor por meio da educação.

Clique aqui para acessar
 
FONTE: INEP

segunda-feira, dezembro 03, 2018

Em parceria com SporTV, TV Ines lança o especial Mão na bola

A partir do dia 7 de dezembro, às 11h, a TV Ines, emissora oficial do Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines), leva ao ar Mão na bola, programa produzido em parceria com o canal SporTV. Direcionada à comunidade surda, a nova atração vai exibir os gols do Campeonato Brasileiro e será apresentada por Heveraldo Ferreira e Rafaela Vale, ambos surdos. Com narração em linguagem brasileira de sinais (libras) e legendas, o programa terá comentários de grandes craques do futebol, como Júnior, Roberto Dinamite, Donizete, Edinho, Casagrande, Roger, Petkovic, além dos técnicos Carlos Alberto Parreira, Jorginho e Valdir Espinosa.

São 20 episódios semanais, durante os quais os convidados vão escolher seu gol preferido. Entre os temas confirmados, estão: golaço, gol de tabela, gol de pênalti, gol de cabeça, gol de oportunidade, gol de zagueiro, gol de falta e gol de lateral. No primeiro episódio, o convidado será o técnico Jorginho, para apresentar a seleção Gols de bola parada.

TV Ines – Emissora oficial do Instituto Nacional de Educação de Surdos, órgão vinculado ao MEC, a TV Ines exibe narrativas audiovisuais em libras e em português durante 24 horas por dia. Está disponível na web em streaming, vídeo on demand, aplicativos para smartphones/tablets e televisões conectadas à internet. Seus programas e projetos, originais ou licenciados, são desenvolvidos por uma equipe de profissionais de televisão surdos, ouvintes, tradutores intérpretes e profissionais do Ines.

A TV Ines é a única emissora brasileira a oferecer programação completa para surdos e ouvintes – só existem cinco emissoras no mundo com atividade semelhante. Em sua grade de programação, o foco está na comunicação educativa: informação, cultura, entretenimento, esporte, documentários, desenhos animados, tecnologia, aulas de libras, revistas eletrônicas, filmes com legendas descritivas e um talk show em língua brasileira de sinais. Entre suas principais atrações, destacam-se A vida em libras, apresentado por Heveraldo Ferreira, e o Boletim Primeira Mão, com Áulio Nobrega e Clarissa Guerretta.

O programa Mão na bola será exibido todas as sextas-feiras, às 11h, com reprises às 11h, 16h e 20h (segundas e quartas-feiras), às 18h e 23h (sextas), às 11h e 19h (sábados) e às 10h, 15h e 23h (domingos). O programa também estará disponível no Youtube (TVINESoficial) e no site da TV Ines.

fonte: MEC

Postagens populares