quinta-feira, março 16, 2017

SP Rede do Saber Videoconferência "Educação Especial - Transtorno do Espectro Autista"

Educação Especial  
Videoconferência orientará a respeito do trabalho com o Transtorno do Espectro Autista. Dia 16/03, às 13h.

Nome da Videoconferência: Educação Especial – Transtorno do Espectro Autista
Data: 15/03/2017
Horário: das 13h às 15h



O CAPE (Centro de Apoio Pedagógico Especializado, da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo) realizará uma videoconferência para orientar profissionais da rede quanto ao trabalho junto a alunos com TEA (Transtorno do Espectro Autista).

Segundo dados da CIMA, existem aproximadamente 4.000 alunos com TEA na Rede Estadual Paulista de Ensino.

Os videoconferencistas serão Carolina Quedas, técnica do CAPE, Cristiano Costa, diretor do CAESP, e Damião Silva, coordenador de projetos da FFM.

A videoconferência será transmitida pela Rede do Saber, e a interação poderá ser feita pelo e-mail faleconosco@rededosaber.sp.gov.br.

quarta-feira, março 08, 2017

Percepção musical em crianças pode predizer dificuldades de aprendizagem

Karina Toledo | Agência FAPESP – Um teste capaz de medir o grau de percepção musical em crianças de 6 a 13 anos foi desenvolvido por um grupo que reúne cientistas brasileiros, canadenses, norte-americanos e britânicos.

Os resultados da pesquisa, apoiada pela FAPESP, foram divulgados em janeiro na revista Frontiers in Neuroscience.

“Nosso objetivo, no futuro, é tentar comprovar que essa ferramenta é eficaz para identificar crianças predispostas a apresentar dificuldades na aquisição da linguagem oral e escrita. Isso possibilitaria aos pais e professores realizar intervenções precoces”, contou Hugo Cogo Moreira, professor orientador da Pós-Graduação em Psiquiatria e Psicologia Médica da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e coordenador do projeto.

Segundo o pesquisador, evidências da literatura científica sustentam a hipótese de que o grau de percepção musical da criança – isto é, a capacidade de perceber determinadas propriedades da música, como timbre, intensidade, melodia e ritmo – está correlacionado com sua habilidade para aprender a linguagem verbal, tanto oral como escrita.

“A música é uma forma de linguagem não verbal. E a linguagem verbal, por sua vez, tem componentes musicais. Envolve percepção de frequências diferentes de voz, entonação e padrão de métrica, entre outros fatores”, explicou Moreira.

A percepção musical, acrescentou o pesquisador, está diretamente ligada à consciência fonológica, que é a capacidade de segmentar o som das palavras nas suas menores partes – como nos exercícios que professores costumam fazer com crianças durante a alfabetização, nos quais se pede para manipular o som em sílabas (B + A = BA; C + A = CA; etc.).

“A consciência fonológica é uma habilidade básica que precede a leitura. Acredita-se em um efeito cascata: quanto maior a percepção musical, mais fácil seria perceber nuances nos sons e essa habilidade auxiliaria na apreensão de leitura de palavras isoladas. Logo, torna-se mais fácil desenvolver a leitura contextual, entender o que está escrito e isso impacta todo o desempenho acadêmico”, disse Moreira.

Na avaliação do pesquisador da Unifesp, a grande vantagem de usar a percepção musical como um preditor da habilidade de leitura e escrita é o fato de a percepção musical ser uma linguagem universal, que independe do idioma ou da cultura. A mesma metodologia, portanto, poderia ser aplicada em crianças de todo o mundo.

Fator-M

Insatisfeitos com os testes até então disponíveis para mensurar a percepção musical, o grupo coordenado por Moreira decidiu criar uma nova ferramenta capaz de avaliar a capacidade das crianças de notar variações em sete diferentes domínios musicais: timbre, métrica, escala, intensidade, contorno musical, duração e tom.

Para isso, foram produzidos e gravados diferentes e curtos excertos musicais em programas sofisticados de composição, com sons em alta qualidade e diferentes timbres musicais (inclusive sons ruidosos), abarcando a compreensão musical para além dos tradicionais sons do violino e piano disponíveis em outros testes.

Todos os estímulos sonoros são inéditos e foram compostos por Caio Giovaneti de Barros, aluno de doutorado do Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista (IA-Unesp) e primeiro autor do artigo.

Organizados em pares, esses estímulos sonoros formam ao todo 80 tarefas que desafiam as crianças a descobrir se cada par musical é semelhante ou apresenta variação em algum dos sete domínios.

Clique nos links a seguir para abrir os arquivos sonoros - formato .wav


“Os testes até então existentes usam diferentes combinações dos domínios musicais. Alguns incluem apenas três deles, como métrica, tom e ritmo. Outros misturam quatro ou cinco domínios. Mas, de maneira geral, a qualidade sonora dos estímulos musicais é ruim (arquivos MIDI). Além disso, muitos testes usam músicas conhecidas, como Parabéns a Você. Nós fizemos questão de desenvolver estímulos musicais completamente novos para que o histórico auditivo da criança não interferisse no resultado”, contou Moreira.

sexta-feira, dezembro 30, 2016

Estudante com deficiência terá cota nas instituições federais

Pessoas com deficiência que frequentaram escolas públicas durante o ensino médio terão direito a um percentual de vagas nas universidades e nos cursos técnicos de nível médio de instituições federais. A nova regra vale desde esta quinta-feira, 29, com a publicação da Lei nº 13.409/2016, sancionada pelo presidente da República, Michel Temer. O benefício das cotas já valia para estudantes de baixa renda e que se declaram pretos, pardos e indígenas desde agosto de 2012, com a publicação da Lei nº 12.711, a chamada Lei de Cotas.

A quantidade de vagas será definida de acordo com o número de pessoas com deficiência na unidade da Federação na qual o estudante será matriculado, considerado o proporcional em relação à população do estado ou do Distrito Federal em que estiver localizada a instituição de ensino, segundo o último Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A nova legislação também é assinada pelos ministros da Educação, Mendonça Filho, e da Justiça, Alexandre de Moraes.

“A nova legislação faz uma equidade ao equiparar direitos e estender esse benefício a pessoas com deficiência”, comenta a titular da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi) do Ministério da Educação, Ivana de Siqueira. A sistemática de reserva de vagas nas instituições federais de ensino tem validade de dez anos, até 2022, para quando está prevista a revisão do programa especial de cotas para acesso à educação superior. 

De acordo a legislação que instituiu o sistema de cotas no Brasil, as instituições federais de educação superior no Brasil devem reservar o mínimo de 50% das vagas em cursos de graduação a estudantes que tenham frequentando, integralmente, o ensino médio na rede pública. Dentro dessa cota, as vagas devem atender percentuais específicos para critérios sociais (renda igual ou inferior a um salário mínimo e meio per capita), raciais e étnicos. E agora, com as alterações no texto original, as pessoas com deficiência são incluídas e tornam-se também beneficiárias.

A Lei nº 13.409, de 2016, que dispõe sobre a reserva de vagas para pessoas com deficiência nos cursos técnicos de nível médio e superior das instituições federais de ensino, foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, 29.

Confira:

fonte: MEC

sábado, dezembro 03, 2016

SP Rede do Saber Evento Seminário "Empregabilidade da Pessoa com Deficiência"

Empregabilidade da Pessoa com Deficiência  
Seminário contará com a participação de órgãos públicos e instituições e será transmitido ao vivo. Dia 05/12, às 10h.

Nome do Evento: Seminário Empregabilidade da Pessoa com Deficiência
Data: 05/12/2016
Horário: das 10h às 13h



O evento tem como finalidade apresentar os desafios para a inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho e experiências exitosas sobre o tema.

Para discorrer sobre o assunto, estarão presentes especialistas como Floriano Pesaro, Secretário de Estado de Desenvolvimento Social, Linamara Rizzo Battistella, Secretária dos Direitos da Pessoa com Deficiência, e Vanderlei Wikianowksi, da OAB. Além destes, Guilherme Bara, da Fundação Espaço ECO/BASF, e Marinalva Cruz, do Programa de Apoio à Pessoa com Deficiência, da Secretaria do Estado de Emprego e Relações de Trabalho.

O Seminário será transmitido ao vivo, pela Rede do Saber/EFAP, e a interação poderá ser feita pelo e-mail faleconosco@rededosaber.sp.gov.br.

quinta-feira, dezembro 01, 2016

SP REDE DO SABER Videoconferência "Credenciamento de Instituições - Orientações e procedimentos"

Credenciamento de Instituições  

Entidades receberão orientações por videoconferência. Dia 01/12, às 9h30.
ASSISTA A GRAVAÇÃO
   

Nome da Videoconferência: Credenciamento de Instituições - Orientações e procedimentos
Data: 01/12/2016
Horário: das 9h30 às 12h



O objetivo da videoconferência é orientar as organizações da sociedade civil sem fins lucrativos sobre os procedimentos para o credenciamento de escolas para atendimento de alunos com deficiência intelectual e TGD/TEA, em regime de parceria com a SEE, em 2017.

Os videoconferencistas serão Kauê Grecco, assistente técnico do Gabinete/CGEB; Dra. Renata Hauenstein, chefia de Gabinete; e Danilo Namo, técnico do CAPE.

A transmissão será realizada pela Rede do Saber/EFAP e a interação poderá ser feita pelo e-mail faleconosco@rededosaber.sp.gov.br.

quinta-feira, novembro 24, 2016

PARANÁ - Atribuições do Professor da Sala de Recursos Multifuncionais

Atribuições do Professor da Sala de Recursos Multifuncionais - SRM, requeridas no Edital nº 90/2016 - GS/SEED - Edital de Seleção de Professores do Quadro Próprio do Magistério da Secretaria de Estado da Educação do Paraná para suprir Professor Especialista no Atendimento Educacional Especializado de Sala de Recursos Multifuncionais - SRM:

ANEXO II - EDITAL N.º 90/2016 – GS/SEED 

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFESSORES DO QUADRO PRÓPRIO DO MAGISTÉRIO DA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PARA SUPRIR PROFESSOR ESPECIALISTA NO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO DE SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS 

ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR SRM 

a) Realizar a identificação das necessidades educacionais específicas dos estudantes por meio de avaliação pedagógica, visando à construção do Plano de Atendimento Educacional Especializado, documento este que deverá ser elaborado pelo professor da SRM diante do ingresso do estudante na SRM, e realimentado após cada conselho de classe, conforme orientações técnicas da SEED/DEE. 

b) Organizar cronograma de atendimento pedagógico, (vistado pela equipe pedagógica e diretiva) bem como fornecer os dados necessários para registro do referido cronograma no sistema SERE. 

c) Acompanhar, por meio do trabalho colaborativo, o desenvolvimento acadêmico do estudante no turno de matrícula de escolarização ou disciplina na EJA, visando à funcionalidade das intervenções e recursos pedagógicos trabalhados na Sala de Recursos Multifuncionais, na Educação Básica. 

d) Registrar sistematicamente todos os avanços e dificuldades do estudante, conforme Plano de Atendimento Educacional Especializado. 

e) Participar de todas as atividades previstas no calendário escolar, especialmente no conselho de classe. 

f) Cumprir os prazos legais para entrega dos documentos oficiais de resultados do estudante. 

g) Cumprir as orientações emitidas pela SEED/DEE, via NRE.

FONTE: SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ

Postagens populares